Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, NITEROI, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, English, Arte e cultura, Cinema e vídeo, Literatura
MSN -



Histórico
 13/09/2009 a 19/09/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 27/07/2008 a 02/08/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 06/04/2008 a 12/04/2008
 30/09/2007 a 06/10/2007
 02/09/2007 a 08/09/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 28/01/2007 a 03/02/2007
 22/10/2006 a 28/10/2006
 01/10/2006 a 07/10/2006
 24/09/2006 a 30/09/2006
 10/09/2006 a 16/09/2006
 14/05/2006 a 20/05/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 06/03/2005 a 12/03/2005
 30/01/2005 a 05/02/2005
 23/01/2005 a 29/01/2005
 21/11/2004 a 27/11/2004
 14/11/2004 a 20/11/2004
 31/10/2004 a 06/11/2004
 17/10/2004 a 23/10/2004
 10/10/2004 a 16/10/2004
 03/10/2004 a 09/10/2004
 19/09/2004 a 25/09/2004
 12/09/2004 a 18/09/2004
 05/09/2004 a 11/09/2004
 22/08/2004 a 28/08/2004
 15/08/2004 a 21/08/2004
 08/08/2004 a 14/08/2004
 25/07/2004 a 31/07/2004
 18/07/2004 a 24/07/2004
 11/07/2004 a 17/07/2004
 27/06/2004 a 03/07/2004
 13/06/2004 a 19/06/2004
 06/06/2004 a 12/06/2004
 30/05/2004 a 05/06/2004
 23/05/2004 a 29/05/2004
 16/05/2004 a 22/05/2004


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 VERBO VIVO (meu blog)
 Barbra Streisand (Meu site)
 Cultura Niterói
 Niterói Artes
 Lost Brasil
 Baixaki
 Internet Movie Data Base
 Mar de Poesias
 Biblioteca Virtual
 Revolução Francesa
 Vivien Leigh Pages
 Projeto Releituras (Literatura - autores, obras)


Dama dos contos
 

LIVRO - LANÇAMENTO



 Escrito por Rosaly Fonseca às 17h12 [] [envie esta mensagem]



PACIÊNCIA



 Escrito por Rosaly Fonseca às 11h40 [] [envie esta mensagem]



REFLEXÃO

Nós não precisamos amar lugares. Não é uma das coisas mais importantes.
Nós precisamos amar rostos, mãos, sorrisos, vozes...
Nós podemos amar o mundo ao redor de nós, mas é melhor amar os mundos que existem dentro das pessoas.
Mundos de sentimentos, pensamentos e sonhos.
Nós podemos abraçar um estilo de vida, mas é muito melhor abraçar pessoas de corpo e alma!
Nós podemos esperar por nosso salário, pelo final de semana, pelo Verão, por ótimas férias...
Mas a beleza existe em esperar por pessoas, olhar em seus olhos e ler seus sentimentos.
Nós podemos pensar em nossos interesses, nos envolver em estudos, em trabalho, em planos...
Mas a essência da vida é pensar sobre nossas ações, sobre nossos relacionamentos,
e aprender a cada dia com outras pessoas,
como viver em paz, como gerar felicidade e esperança.
Nós precisamos abrir nossos olhos espirituais para ver o real sentido de nossa presença nesse mundo.
É mais do que viver paixões, prazeres e diversão, que morrem como nossos corpos. 
É entender que nós apenas podemos encontrar paz e felicidade quando vivemos por amor,
sem fronteiras, barreiras, orgulho e preconceitos.
Viver um perfeito Amor, que vem da alma e é eterno porque é a essência de Deus.



 Escrito por Rosaly Fonseca às 15h35 [] [envie esta mensagem]



ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA (José Saramago)

LIVRO

Descrição:
Um motorista parado no sinal se descobre subitamente cego. É o primeiro caso de uma "treva branca" que logo se espalha incontrolavelmente. Resguardados em quarentena, os cegos se perceberão reduzidos à essência humana, numa verdadeira viagem às trevas.
O Ensaio Sobre a Cegueira é a fantasia de um autor que nos faz lembrar "a responsabilidade de ter olhos quando os outros os perderam". José Saramago nos dá, aqui, uma imagem aterradora e comovente de tempos sombrios, à beira de um novo milênio, impondo-se à companhia dos maiores visionários modernos, como Franz Kafka e Elias Canetti.Cada leitor viverá uma experiência imaginativa única. Num ponto onde se cruzam literatura e sabedoria, José Saramago nos obriga a parar, fechar os olhos e ver. Recuperar a lucidez, resgatar o afeto: essas são as tarefas do escritor e de cada leitor, diante da pressão dos tempos e do que se perdeu: "uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos".

Comentário: É uma leitura intensa, envolvente, que conservou meu interesse. No começo, pode haver estranhamento em relação à maneira que José Saramago escreve, sem separação entre a narração e as falas dos personagens, mas essa questão logo se resolve, porque o leitor se acostuma. A trama se mostra cada vez mais marcante e realista. Eu só parava de ler quando o cansaço não me permitia prosseguir a leitura. É um livro que recomento com entusiamo.

FILME

Descrição:
Uma inédita e inexplicável epidemia de cegueira atinge uma cidade. Chamada de "cegueira branca", já que as pessoas atingidas apenas passam a ver uma superfície leitosa, a doença surge inicialmente em um homem no trânsito e, pouco a pouco, se espalha pelo país. À medida que os afetados são colocados em quarentena e os serviços oferecidos pelo Estado começam a falhar as pessoas passam a lutar por suas necessidades básicas, expondo seus instintos primários. Nesta situação a única pessoa que ainda consegue enxergar é a mulher de um médico (Julianne Moore), que juntamente com um grupo de internos tenta encontrar a humanidade perdida.

ESTRÉIA: 12 DE SETEMBRO

 

 


TRAILER:



 Escrito por Rosaly Fonseca às 18h05 [] [envie esta mensagem]



NATURA TODO DIA - Comercial

A idéia é a rotina do papel
O céu é a rotina do edifício
O início é a rotina do final
A escolha é a rotina do gosto
A rotina do espelho é o oposto
A rotina do jornal é o fato
A celebridade é a rotina do boato
A rotina da mão é o toque
A rotina da garganta é o rock
O coração é a rotina da batida
A rotina do equilíbrio é a medida
O vento é a rotina do assobio
A rotina da pele é o arrepio
A rotina do perfume é a lembrança
O pé é a rotina da dança
Julieta é a rotina do queijo
A rotina da boca é o desejo
A rotina do caminho é a direção
A rotina do destino é a certeza
Toda rotina tem sua beleza.



 Escrito por Rosaly Fonseca às 11h20 [] [envie esta mensagem]



SOL DE PRIMAVERA

Quando entrar setembro
E a boa nova andar nos campos
Quero ver brotar o perdão
Onde a gente plantou
Juntos outra vez...

Já sonhamos juntos
Semeando as canções no vento
Quero ver crescer nossa voz
No que falta sonhar...

Já choramos muito
Muitos se perderam no caminho
Mesmo assim não custa inventar
Uma nova canção
Que venha nos trazer...

Sol de primavera
Abre as janelas do meu peito
A lição sabemos de cor
Só nos resta aprender
Aprender...

Flávio Venturini
Composição: Beto Guedes e Ronaldo Bastos



 Escrito por Rosaly Fonseca às 15h54 [] [envie esta mensagem]



BROOKE WHITE - American Idol

Uma grande cantora! Minha favorita entre as cantoras do American Idol.



 Escrito por Rosaly Fonseca às 15h48 [] [envie esta mensagem]



Terça Insana: Fumante

Esquete de comédia, no estilo Humor Negro. É um alerta.



 Escrito por Rosaly Fonseca às 12h54 [] [envie esta mensagem]



  

FUNNY GIRL - A garota genial (1968)

Sinopse: A atriz Fanny Brice (Barbra Streisand) vê um futuro profissional quando o empresário do Keney's Music Hall a contrata como patinadora. Depois de alguns meses, ela terá seu reconhecimento em Ziegfeld Follies, onde conhecerá Nick Arnstein (Omar Sharif), um desastrado jogador. Vencedor do Oscar de Melhor Atriz (Barbra Streisand) e indicado a outras sete categorias.

Direção: William Wyler
Roteiro: Isobel Lennart
Gênero: Biografia/Drama/Musical/Romance
Origem: Estados Unidos
Duração: 151 minutos
Tipo: Longa

Baseado na vida da famosa comediante Fanny Brice.

Indicações e prêmios:

Oscar 1969 (EUA)
Venceu na categoria de Melhor Atriz (Barbra Streisand).
indicado nas categorias de Melhor Atriz Coadjuvante (Kay Medford), Melhor Fotografia, Melhor Edição, Melhor Canção Original, Melhor Trilha Sonora de Filme Musical, Melhor Filme e Melhor Som.

Globo de Ouro 1969 (EUA)
Venceu na categoria de Melhor Atriz - Comédia / Musical (Barbra Streisand).
Indicado nas categorias de Melhor Filme - Comédia / Musical, Melhor Diretor de Cinema, Melhor Canção Original.

BAFTA 1970 (Reino Unido)
Indicado nas categorias de Melhor Atriz (Barbra Streisand), Melhor Fotografia e Melhor Figurino.

Prêmio David di Donatello 1969 (Itália)
Venceu na categoria de Melhor Atriz Estrangeira (Barbra Streisand, junto com Mia Farrow, em Rosemary's Baby).


FUNNY LADY (1975)

Sinopse:
"Bárbara Streisand (Funny Girl, O Espelho Tem Duas Faces) volta em grande estilo como a exuberante Fanny Brice em Funny Lady, a seqüência do aclamado Funny Girl que deu o Oscar de Melhor Atriz em 1968 para a Bárbara. Este vibrante musical abre mais um capitulo na carreira e vida amorosa de Funny. Divorciada do bem sucedido Nick Arnstein (Omar Sharif - O 13º Guerreiro, Lawrence da Arábia) ela se uma ao compositor Billy Rose (James Caan - Queima de Arquivo, Caminho Sem Volta), um vigoroso showman cheio de entusiasmo e ambições no teatro. Eles formam um casal incomum, mas a amizade se transforma em amor. Funny Lady é a historia de seu mágico talento, seus temperamentos difíceis e seu romance conturbado. Apresentando grandes números musicais e um elenco elétrico. Streisand é uma Funny Lady que você nunca irá esquecer."

Dados Técnicos
Título: FUNNY LADY
Título Original: FUNNY LADY
Duração: 135 minutos
Ano de Lançamento: 1975
País(es) de Origem: EUA
Idioma Original: INGLÊS


ALÔ, DOLLY (1969)

"Em 1890, em Nova York, uma conhecida viúva casamenteira faz uma viagem para fazer com que um rico comerciante se interesse por sua chapeleira. Ao encontrá-lo ele lhe pede que ela consiga afastar sua sobrinha de um artista, apesar dos dois estarem apaixonados. A viúva decide manter os dois juntos e como sua chapeleira não se interessou pelo bom partido ela decide conquistá-lo para si mesma."


Ficha Técnica
Título Original: Hello, Dolly!
Gênero: Musical
Tempo de Duração: 146 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 1969
Estúdio: 20th Century Fox / Chenault Productions, Inc.
Distribuição: 20th Century Fox Film Corporation
Direção: Gene Kelly
Roteiro: Ernest Lehman e Michael Stewart, baseado em peça teatral de Thornton Wilder
Produção: Ernest Lehman
Música: Lennie Hayton, Jerry Herman e Lionel Newman
Fotografia: Harry Stradling Sr.
Desenho de Produção: John DeCuir
Direção de Arte: Herman A. Blumenthal, John DeCuir e Jack Martin Smith
Figurino: Irene Sharaff
Edição: William Reynolds

Premiações:
- Ganhou 3 Oscars, nas seguintes categorias: Melhor Som, Melhor Direção de Arte e Melhor Trilha Sonora em Musicais. Foi ainda indicado em outras 4 categorias: Melhor Filme, Melhor Fotografia, Melhor Edição e Melhor Figurino.

- Recebeu 5 indicações ao Globo de Ouro, nas seguintes categorias: Melhor Filme - Comédia/Musical, Melhor Diretor, Melhor Atriz - Comédia/Musical (Barbra Streisand), Melhor Atriz Coadjuvante (Marianne McAndrew) e Melhor Revelação Feminina (Marianne McAndrew).

- Recebeu 4 indicações ao BAFTA, nas seguintes categorias: Melhor Ator (Walter Matthau), Melhor Atriz (Barbra Streisand), Melhor Direção de Arte e Melhor Fotografia.

http://www.adorocinema.com/filmes/alo-dolly/alo-dolly.asp

 



 Escrito por Rosaly Fonseca às 16h00 [] [envie esta mensagem]



CAIS

Para quem quer se soltar invento o cais
Invento mais que a solidão me dá
Invento lua nova a clarear
Invento o amor e sei a dor de me lançar

Eu queria ser feliz
Invento o mar
Invento em mim o sonhador
Para quem quer me seguir eu quero mais
Tenho o caminho do que sempre quis
E um saveiro pronto pra partir
Invento o cais
E sei a vez de me lançar

Milton Nascimento



 Escrito por Rosaly Fonseca às 13h40 [] [envie esta mensagem]



VISITANDO CAMILLE CLAUDEL

Assisti ontém a uma excelente peça no teatro da UFF, em Niterói. Inicialmente, fui ao espetáculo devido ao meu interesse sobre artes, visto que a peça é sobre vida da escultora Camille Claudel. A atriz Adriana Rabello, cujo trabalho eu desconhecia, foi revelando-se de forma brilhante no palco e despertou minha admiração. A linguagem da peça foi construída de maneira sensível e encantadora. Por ser um monólogo, exige uma intensa doação por parte da atriz, o que foi exercido plenamente por Adriana. Toda a equipe tem minha profunda admiração pelo trabalho. Desejo grande sucesso a todos!

10, 11, 12, 17, 18, 19 de AGOSTO
SEXTAS e SÁBADOS - 21h
DOMINGOS - 20h

TEATRO ADULTO
VISITANDO CAMILLE CLAUDEL
A peça mostra todos os momentos da vida desta genial escultora apaixonada por Rodin.
Livremente inspirada na vida e na obra da genial escultora francesa, a peça segue o fluxo de memória da artista, reinventando, de forma poética, as passagens marcantes de sua vida: a infância, o auge em Paris, sua paixão por Rodin, sua luta para se estabelecer numa profissão estritamente masculina e sua internação durante 30 anos num asilo de alienados. Camille Claudel é interpretada pela atriz Adriana Rabelo - que vive a Marta da novela Eterna Magia, e encarna Camille na série portuguesa Coração Navegador da TVJB.

AOS DOMINGOS, SERÃO REALIZADOS DEBATES COM A EQUIPE E CONVIDADOS SOBRE A HISTÓRIA DA ARTISTA E A LUTA ANTIMANICOMIAL.

LOCAL: Teatro da UFF - Rua Miguel de Frias, 9 - Icaraí / Niterói
PREÇO: R$ 25 (Estudantes, servidores da UFF e pessoas acima de 60 anos têm 50% de desconto). Com filipeta R$ 10.
MAIS INFORMAÇÕES PELO TEL.: (21) 2629-5020 ou 2629-5008.


PROGRAMAÇÃO DO TEATRO DA UFF: http://www.uff.br/centroarte/proteatro.htm

SITE DA PEÇA: www.visitandocamilleclaudel.kit.net

SOBRE CAMILLE CLAUDEL: http://www.camilleclaudel.com.br/



 Escrito por Rosaly Fonseca às 11h04 [] [envie esta mensagem]



Clube da Esquina II

Por que se chamava moço
Também se chamava estrada
Viagem de ventania
Nem lembra se olhou pra trás
Ao primeiro passo, aço, aço....

Por que se chamava homem
Também se chamava sonhos
E sonhos não envelhecem
Em meio a tantos gases
lacrimogênios
Ficam calmos, calmos

E lá se vai mais um dia

E basta contar compasso
e basta contar consigo
Que a chama não tem pavio
De tudo se faz canção
E o coração
Na curva de um rio, rio...

E o Rio de asfalto e gente
Entorna pelas ladeiras
Entope o meio fio
Esquina mais de um milhão
Quero ver então a gente,
gente, gente...

(Flávio Venturini)



 Escrito por Rosaly Fonseca às 19h54 [] [envie esta mensagem]



FONTE DA VIDA

Fonte da vida, do amor... Uma busca angustiante. A condição para a felicidade se dissipando minuto a minuto, o medo crescente, a impotência diante da morte. O terrível, temível e trágico momento no qual se concretiza o "até que a morte os separe". Não importa o tempo ou o lugar onde os seres humanos se encontrem, é o mesmo Amor. Sentimento raro hoje em dia, com uma profundidade e uma força que falta às pessoas superficiais.
O filme tem seus enigmas, sua linguagem tão diferente, tão própria, digamos... experimental. Até assusta no primeiro momento. Acho que é preciso assistir uma segunda vez, para tentar captar os muitos "não-ditos". Parece que cada suspiro dos personagens, cada olhar tem algo mais. Um silêncio que muito diz.
Nesse filme, talvez eu possa dizer que a linguagem assumiu um caráter simbolista. É uma constante evocação de sentimentos, de sensações.
Quem quiser ter uma experiência bem diferente, eu recomendo. Não sei dizer se gostei, mas o tempo gasto teve valor. O certo é que deixa algo marcante e inesquecível.

SINOPSE:

Em 3 épocas distintas da humanidade um homem busca respostas que possam ajudá-lo a compreender a existência. Dirigido por Darren Aronofsky (Réquiem por um Sonho) e com Hugh Jackman, Rachel Weisz e Ellen Burstyn no elenco.

Na Espanha do século 16, o navegador Tomas Creo parte para o Novo Mundo em busca da lendária árvore da vida. Nos tempos atuais a mulher do pesquisador Tommy Creo está morrendo de câncer, mas ele busca desesperadamente a cura que pode salvá-la. Uma terceira história une as duas primeiras: no século 26, o astronauta Tom finalmente consegue a resposta para as questões fundamentais da existência.

http://www.adorocinema.com/filmes/fonte-da-vida/fonte-da-vida.asp



 Escrito por Rosaly Fonseca às 17h48 [] [envie esta mensagem]



LETRA E MÚSICA

SINOPSE
Alex Fletcher (Hugh Grant) é um decadente astro da música pop, que fez muito sucesso na década de 80 mas que agora apenas se apresenta no circuito nostálgico de feiras e parques de diversão. A chance de mais uma vez fazer sucesso bate à sua porta quando Cora Corman (Haley Bennet), a atual diva do pop, o convida para compor uma canção e gravá-la com ela, em dueto. O problema é que Alex há anos não compõe uma canção sequer, além de jamais ter escrito uma letra de música. Sua salvação é Sophie Fisher (Drew Barrymore), a encarregada de cuidar das plantas de Alex, cujo jeito com as palavras serve de inspiração para Alex. Inicialmente reticente em trabalhar com Alex, devido ao término conturbado de um relacionamento e à fobia dele a compromisso, Sophie termina por aceitar a parceria.

http://adorocinema.cidadeinternet.com.br/filmes/letra-e-musica/letra-e-musica.asp


COMENTÁRIO:
Para começar, é um estilo de fime que me agrada muito: comédia romântica.
Muito divertido! Quer relaxar, dar umas boas risadas? Assista!
Gostei muito da atuação dos atores. O filme é bem leve. Revela também a cara da indústria cultural, ligada à música. É interessante reparar na questão da imagem enquanto apelo diante da massa.
Bem... mostra também a questão de valorizar as pessoas, quando se descobre um talento escondido. Essencialmente... é romance. Quando a letra e a música se completam.



 Escrito por Rosaly Fonseca às 18h22 [] [envie esta mensagem]



DIAMANTE DE SANGUE

Sinopse:
Serra Leoa, final da década de 90. O país está em plena guerra civil, com conflitos constantes entre o governo e a Força Unida Revolucionária (FUR). Quando uma tropa da FUR invade uma aldeia da etnia Mende, o pescador Solomon Vandy (Djimon Hounson) é separado de sua família, que consegue fugir. Solomon é levado a um campo de mineração de diamantes, onde é obrigado a trabalhar. Lá ele encontra um diamante cor-de-rosa, que tem cerca de 100 quilates. Solomon consegue escondê-lo em um pedaço de pano e o enterra, mas é descoberto por um integrante da FUR. Neste exato momento ocorre um ataque do governo, que faz com que Solomon e vários dos presentes sejam presos. Ao chegar na cadeia lá está Danny Archer (Leonardo DiCaprio), um ex-mercenário nascido no Zimbábue que se dedica a contrabandear diamantes para a Libéria, de onde são vendidos a grandes corporações. Danny ouve um integrante da FUR acusar Solomon de ter escondido o diamante e se interessa pela história. Ao deixar a prisão Danny faz com que Solomon também saia, propondo-lhe um trato: que ele mostre onde o diamante está escondido, em troca de ajuda para que possa encontrar sua família. Solomon não acredita em Danny mas, sem saída, aceita o acordo.

http://adorocinema.cidadeinternet.com.br/filmes/diamante-de-sangue/diamante-de-sangue.asp

Site Oficial: www.diamantedesangue.com.br


COMENTÁRIO:
O filme deixou marcante a banalização da vida humana diante da ganância. Seja por interesse lucrativo, profissional, ou político, os sentimentos se tornam duros, como uma pedra de diamante. Ficam escondidos no fundo de um rio, podendo ou não ser garimpados.
Há violência de todas as formas, barbárie, manipulação ideológica, brutalidade total. O sofrimento chega ao extremo.
Em relação a alguns personagens, ficam as perguntas: Qual é o sentido da vida? O que realmente importa? Não há paz, não há equilíbrio. Felicidade? A dureza é tal, que as palavras "amizade" e "amor" soam de maneira estranha. Irreais, fora do lugar e das circunstâncias. Para alguns, nem existem.
Revolver o passado é doloroso. E o futuro? Incerto.
A verdade é preciosa. Para alguns, traz o amadurecimento. Para outros, traz o vazio. Então, o amor pode ser a salvação. Mas, e se for tarde demais?
O filme choca e leva à reflexão. Mas... será que ele vai sensibilizar como deve, ou somente entreter? Será que vai mudar alguma coisa?



 Escrito por Rosaly Fonseca às 16h40 [] [envie esta mensagem]